Análises Estatísticas dos Ensaios de Pára-Raios Convencionais a Carboneto de Silício Retirados das Redes de Distribuição em Média Tensão

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica, Olinda, PE, Brasil, 2008.


Abstract:

Este artigo tem como objetivo a definição de uma faixa de provável aprovação para os ensaios de corrente de fuga, e possíveis correlações entre a tensão de rádio interferência em pára-raios a carboneto de silício para as redes de distribuição de média tensão.
Através de análises estatísticas e ensaios realizados no Laboratório de Alta Tensão da Universidade Federal de Itajubá.

Introduction:

Com a finalidade de proteger os sistemas elétricos contra surtos de tensão – que podem ter origem nas descargas atmosféricas, no chaveamento de sistemas de transmissão e distribuição e nos defeitos monopolares – utilizam-se os pára-raios, que são equipamentos que reduzem o nível de sobretensão a valores compatíveis com a suportabilidade desses sistemas.
Em operação normal, o pára-raios é semelhante a um circuito aberto, possuindo uma corrente de fuga em condições nominais da ordem de alguns µA. Quando há a ocorrência de uma sobretensão, o centelhador dispara e uma corrente circula pelo resistor não linear, impedindo que a tensão nos seus terminais ultrapasse um determinado valor. Drenando e desviando a energia do surto para a terra, assim protegendo os equipamentos do sistema.
Contraditoriamente, os pára-raios não possuem, até hoje, técnicas de diagnístico, consensualmente definidas, que possam identificar unidades defeituosas e inadequadas para continuar em serviço. Essa dificuldade deve-se, em grande parte, às características construtivas e operativas dos pára-raios, que são equipamentos selados e que não permitem a inspeção fácil de seus componentes internos.
Dentro deste enfoque, este trabalho apresenta estudos estatísticos, que resultaram na determinação da correlação entre os valores de corrente de fuga e tensão de rádio interferência para os pára-raios convencionais.
No presente trabalho são analisados, especificamente, os pára-raios a carboneto de silício que foram coletados em instalações da rede de média tensão da concessionária de distribuição AES Sul, identificados através de técnicas de inspeção preditiva.
Estes pára-raios foram divididos pelos seus respectivos fabricantes e classe de tensão, e, posteriormente, foram realizados os ensaios de corrente de fuga e tensão de rádio interferência, dentre outros, em laboratírio.

References:

[1] NBR 5287 Pára-Raios de Resistor Não Linear a Carboneto de Silício SiC para Sistemas de Potência – Especificação, ABNT, 1991;
[2] J. M. Filho. Manual de Equipamentos Elétricos, Ed. LTC, 1994;
[3] NIST/SEMATECH e-Handbook of Statistical Methods. Acesso em 13/09/2007, disponível em: http://www.itl.nist.gov/div898/handbook
[4] M. L. B. Martinez, M. Kubota, R. C. Maciel, S. Aita, A. R. Pizarro, O. S. Manalli. “Medição de Corrente de Fuga – Uma Alternativa para a Manutenção Preventiva de Pára-Raios”, X Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica, Curitiba, Paraná, 1989;
[5] M. L. B. Martinez, R. G. de Oliveira Jr. “Inspeção de Campo de Pára-Raios para Circuitos de Média Tensão”, XVII SENDI, Belo Horizonte, Minas Gerais, 2006;
[6] M. L. B. Martinez, R. G. de Oliveira Jr. “Field Inspection Of Surge Arresters For Medium Voltage Circuits”, GROUND’2006, Maceió, Alagoas, 2006.


Back to Publications - Voltar à Publicações

© 2017-2018, Marco Aurélio M. Saran
All rights reserved